Arquivo

Posts Tagged ‘liberdade’

Reconhecimento

novembro 12, 2010 2 comentários

Reconhecimento. Nós esperamos tanto por isso que às vezes fazemos coisas que não nos agrada, não é de nosso caráter e nem nos acrescentará algo. Fazemos para ouvirmos algumas palavras honrosas. Esperamos por ele como uma mãe espera pelo dia em que seu filho recém nascido dará seus primeiros passos.

Nos iludimos tanto que esperamos pelo reconhecimento até mesmo no término de um relacionamento amoroso.

“Ele/Ela lembrará um dia o que eu fiz por ele/ela…”

Seja pela nossa educação que não nos ensina a rejeição, talvez seja pelo nosso ego que não gostaria de ser ferido e preferimos nos acomodar com palavras. Mas a verdade é que o reconhecimento é uma situação momentânea.

As pessoas podem ser gratas à você… hoje, porém a incerteza do amanhã ainda continuará. As pessoas se esquecem; substituem por outras memórias. Outros momentos. Outras vidas.

Depender de reconhecimento é passível de ser egoísta. Uma maneira de idolatrar nosso próprio ego; procurar uma auto-confiança. Talvez seja a hora de começarmos a nos entregar mais sem esperar que o outros reconheçam em nós virtudes que gostaríamos de ter para satisfação pessoal.

Oferecer ao invés de perguntar e não esperar o mesmo, talvez seja a melhor maneira para se libertar de um reconhecimento que na verdade… não existe.

Anúncios

Poesia #5: Reflexos

agosto 21, 2010 1 comentário

Sentei-me no banco da praça
Pra ver o canto do passarinho
Olhar a flor que perfumada
Espalha perfume na galhada
Agora cheia de orvalho
Orvalho da noite triste
Porque já não mais existe
a luz cortejante
Seu luar triunfante
E seu sublime calor

Desfigurei bem perto de mim
Uma borboleta colorida
Que estava feliz da vida
Pois em suas revoadas
Dava salpicos e mais salpicos
Ao meu redor sem restritos
Parecia transmitir mensagem
Não mensagem de guerra
Que tumultavam toda terra
Mas sim mensagem de amor

Amor que contagia
Até a própria agonia
Pois se tem amor se tem vida
Na qual sendo bem vivida
com otimismo e abnegação
Tornar-se-a claridade do céu sombrio
A luz da vela apagada
Enfim tornar-se-á
O elo da pessoa amada.