Arquivo

Archive for agosto \30\UTC 2010

Poesia #7: Quem faz sentido é soldado de Carlos Moreira

agosto 30, 2010 2 comentários

“Que fique muito mal explicado
Não faço força pra ser entendido
Quem faz sentido é soldado”

Que mania a nossa de querer que tudo faça sentido, não é mesmo?

PS: Muitos colocam que esse trecho é do Mario Quintana, mas… pesquisei um pouco e na verdade o autor original é Carlos Moreira.

Poesia #6: Olhos

agosto 21, 2010 2 comentários

Olhos azuis são doces
Castanhos são feiticeiro
Os verdes meigos e triste
Os negros traiçoeiros

Nos azuis, o céu encontra
Nos castanhos, vulcões de amor
Há muita calma nos verdes
Nos negros, mágoa e dor!

Se é bom o fogo dos negros!
Nos azuis quero viver!
Acho consolo nos verdes
E nos castanhos quero morrer!

Categorias:Literatura, Poesia Tags:, ,

Poesia #5: Reflexos

agosto 21, 2010 1 comentário

Sentei-me no banco da praça
Pra ver o canto do passarinho
Olhar a flor que perfumada
Espalha perfume na galhada
Agora cheia de orvalho
Orvalho da noite triste
Porque já não mais existe
a luz cortejante
Seu luar triunfante
E seu sublime calor

Desfigurei bem perto de mim
Uma borboleta colorida
Que estava feliz da vida
Pois em suas revoadas
Dava salpicos e mais salpicos
Ao meu redor sem restritos
Parecia transmitir mensagem
Não mensagem de guerra
Que tumultavam toda terra
Mas sim mensagem de amor

Amor que contagia
Até a própria agonia
Pois se tem amor se tem vida
Na qual sendo bem vivida
com otimismo e abnegação
Tornar-se-a claridade do céu sombrio
A luz da vela apagada
Enfim tornar-se-á
O elo da pessoa amada.

Vitória do fracasso

agosto 17, 2010 1 comentário

“No primeiro fracasso ou na primeira vitória não pare, pois o primeiro fracasso não representa uma queda, e nem a primeira vitória representa um paraíso”

Quantas são às vezes ao longo de nossas semanas que pensamos em simplesmente… desistir. Acordamos dispostos em vivenciar nossa vida, porém acontecimentos — e pessoas — nos deixam tristes, cabisbaixos, abalam aquilo que nós precisamos ter sempre forte: auto-confiança. Se você não acredita em você, ninguém acreditará.

Não há segredo em como ser feliz, como viver em paz consigo, como não fracassar; o não-fracasso é o próprio fracasso. Errar é a prévia do acerto; desde que haja persistência.

Desistir e não persistir é o erro mais comum entre nós humanos. Cometemos isso o tempo todo quando desistimos de um sonho, pois ele parece muito difícil alcançá-lo.

Poesia #4: Simpatia de Casimiro de Abreu

agosto 15, 2010 Deixe um comentário

Simpatia, é o sentimento
Que nasce num só momento
Sincero, no coração;
São dois olhares acesos
Bem juntos, unidos, presos
Numa mágica atração

Simpatia, são dois galhos
Banhados de bons orvalhos
Nas máquinas do jardim
Bem longe, às vezes nascidos
Mas que se juntam crescidos
E que se abraçam por fim

São duas almas bem gêmeas
Que riem no mesmo riso
Que choram nos mesmos ais
São vozes de dois amantes
Duas liras semelhantes,
Ou dois poemas iguais

Simpatia, meu anjinho
É o canto do passarinho
É o doce aroma da flor
São nuvens dum céu d’agosto
É o que inspira teu rosto…
Simpatia… é quase amor!

Categorias:Literatura, Poesia

Poesia #3: Alguém que procura

agosto 13, 2010 Deixe um comentário

Sou alguém que procura
Sou alguém, simplesmente
A vida passa, o tempo também
A noite chega, o dia vai
Eles seguem, você vive
E eu sou alguém simplesmente
Ele cai, ela levanta
Eles choram, você ri
A vida passa, o tempo também
Mas, um dia, talvez um dia
Esse alguém, esse eu
Aquele ele, aquele ela
Se encontrem na vida
Se encontrem no simples, no nada ou
no tudo
E nesse dia, talvez nesse dia
A vida que passa, e o tempo também
Deixe um pequeno rastro dessa passagem
Que é o infinito do amor
Sou alguém que procura
Sou alguém simplesmente.

Expansão do viver

agosto 10, 2010 1 comentário

Viver é expandir, iluminar. Muita receita de viver é fuga da própria vida. Viver é derrubar barreiras entre os homens e o mundo. Compreender.

Saber que, muitas vezes, a jaula somos nós mesmos que muitas vezes polimos as grandes em vez de libertar-nos. No fundo de cada ser humano existe uma dimensão universal e única, ao mesmo tempo. Não podemos viver, permanentemente, grandes momentos, mas podemos cultivar sua expectativa.

A gente só é o que faz aos outros. Somos consequência dessa ação. A coisa mais importante é não vencer na vida. Não se realizar. O homem deve viver se realizando.

Desenvolver um sentido de identificação com o resto da humanidade. Não nadar em piscinas quando se tem o mar à frente. Não salvar o peixe em balde, mas devolvê-lo ao mar.

Saber esquecer o mal também é ter memória. Das melhores coisas da vida é aprender a gostar. Considerar que tudo e todo mundo mundo é perfeito… até provar o contrário. Gostar de gostar. Gostar de fazer.

Acreditar mais na verdade do que na bondade. A verdade é a bondade a longo prazo. No final do meu caminho, espero ter aprendido melhor como perdoar.

PS: Esse texto foi escrito pela minha mãe quando estava na universidade, mudei algumas passagens, porém a essência e a junção das palavras são dela. Como diz muito sobre o que penso, resolvi compartilhar.